sexta-feira, 21 de Março de 2008

Princípios básicos para uma arquitectura ecológica

Uma arquitectura ecológica em Portugal assenta vários factores, que nem sempre se encontram facilmente em perfeita harmonia:

1- a utilização de materiais que representem o mínimo de danos ao ecossistema envolvente.
2- um processo construtivo que seja amigo do ambiente
3- edifícios que possuam um baixo consumo energético
4- edifícios que alterem o mínimo possível o ambiente exterior.

Quanto ao primeiro ponto. é muito importante a utilização de materiais locais e de preferência naturais. Ao serem locais, não introduzem alterações no ecossistema envolvente e não necessitamos de custos energéticos em transporte. Ao serem naturais não só mantemos as características daquilo que nos rodeia como gastamos menos energia a transformá-los.

Quanto ao segundo ponto, um processo construtivo amigo do ambiente é aquele em que danificamos menos o ambiente com o decorrer da construção. Ou seja, consumimos menos electricidade, menos combustíveis fósseis, efectuamos menos transporte de pessoas e material, utilizamos mais energias renováveis, não contaminamos o solo, produzimos menos ruído e somos mais rápidos.

Quanto ao terceiro ponto, para consumirmos menos energia precisamos de desenhar edifícios de modo a que estes possuam menor amplitude térmica com o mínimo de recurso a equipamentos. Isto é proteger os vãos a nascente e poente com palas verticais, a Sul com palas horizontais e só colocar envidraçados virados a Norte. Um bom isolamento térmico permitirá fazer o resto.

Quanto ao quarto e último ponto, trata-se de criar soluções que não alterem a temperatura, o tipo de vegetação, a paisagem, a drenagem natural dos solos e o normal fluir de todos os seres vivos que formam o ecossistema envolvente. Isto é ao utilizarmos soluções com áreas de implantação reduzidas, pavimentos drenantes, espécies locais, materiais pertencentes à paisagem natural envolvente e evitarmos ao máximo superfícies reflectantes e materiais estranhos ao lugar, estaremos a contribuir para a manutenção dos ecossistemas.

Veremos mais à frente exemplos práticos da aplicação destes princípios.